sabato 28 aprile 2012

#a tasca do Jaime

Aquele dia era mesmo um daqueles dias em que não te apetece mesmo nada, não queres ver amigos, não queres falar, nem sequer respirar...mas ela tentou reagir...assim saiu, apanhou o 28, sentou-se, fones nos ouvidos e mais nada. O eléctrico, para ela, era como uma máquina do tempo, fazia com que podesse esquecer tudo, e com que o tempo parasse.. So que chegou a altura em que a carreira do 28 acabou, assim teve que descer naquela paragem, e despertar de repente...O seu olhar era como o das crianças que vêem a luz pela primeira vez...tirou os fones e começou a ouvir uma música no ar...Pensou que o aparelho estivesse ainda ligado, mas não, estava no off- não pode ser- pensou.. Era uma música triste, mas alegra, ouviam-se  também  pessoas a cantar..Começou a caminhar, reparou que estava na Graça, conhecia bem aquela zona, mas naquele momento andava como um bêbado à procura da sua casa, à toa...ao mesmo tempo tinha a sua guia, a música, aquele fadinho que saia dum lugar que ainda nao conhecia.
-Não pode ser- pensava- não há lugares que não conheço-. Foi naquele momento que reparou que tinha deixado todas as sua certezas na paragem do 28. As palavras do fado agora estavam mais claras:

"Venho aqui buscar as asas
Dos meus sonhos de menino
Neste chão e nestas casas
Foi crescendo o meu destino...

Uma senhora à porta da tasca leu a dor que a A. sentia, leu a tristeza que acompanhava o andar dela. 
-Sente-se- disse de repente. Não era um daqueles empregados que atiram os turistas para dentro dum bar, naquele momento era uma mãe que tentava dar um carinho à filha. E foi mesmo assim. Fez com que a A. sentasse, trouxe uma imperial e uns pastéis de bacalhau e como uma mãe começou a dar mimos à filha que encontrou pela primeira vez, bem crescida e nem sequer portuguesa.. A duração daquela felicidade foi o tempo duns fados vadios, mas agora a alma da A estava entregue àquelas palavras que tocavam no ar:

...Depois, parti p'ra longe, sem saber
Que aqui ficava muito do meu ser

Esta emoção de estar aqui
Pode ser saudade... pode ser saudade
E esta canção que fiz p'ra ti
Pode ser saudade... pode ser saudade

Ver no rosto desta gente
Espelhar-se a minha infância
É como se eu, de repente
Fosse de novo criança

Se alguém quer desprezar sua raíz
É porque se esqueceu que foi feliz
"


Nessun commento: